Décio Joaquim
9º Dia do HLBDécio Joaquim

Cordeirópolis recebe 9º Dia do HLB

décio Joaquim

Consultor Campo Consultoria/GTACC

deciojoaquim@uol.com.br

 

Procurando auxiliar a todos os integrantes da cadeia citrícola a compreender um pouco mais a respeito do Greening, a fim de proporcionar condições para melhorar o manejo da doença, o Centro de Citricultura/Iac, em parceria com o Fundecitrus, realizou um encontro um pouco diferente dos eventos tradicionais, no formato de curso

O Centro de Citricultura Sylvio Moreira, em Cordeirópolis, sediou no dia 10 de março o Curso de Gestão Estratégica de HLB/Greening. A capacitação marcou a nona edição do Dia do Huanglongbing, realizado anualmente no complexo.

Ministrado por Renato Beozzo Bassanezi e Marcelo Pedreira de Miranda, ambos pesquisadores do Fundecitrus – Fundo de Defesa da Citricultura, o curso teve como objetivo auxiliar engenheiros agrônomos, citricultores e administradores de pomares com informações sobre o psilídeo e o manejo sustentável do Huanglongbing, o conhecido e temido Greening, uma das mais graves doenças que afetam a citricultura atual no Brasil.

“Todo ano, os citricultores têm que estar a par das novidades que existem em relação ao manejo dessa doença – os casos de sucesso e o que deu errado”, afirmou Renato Bassanezi, em entrevista à Ciência & Prática durante o evento, sobre a importância da realização de um evento anual sobre o Greening. “É extremamente importante que o citricultor venha, participe e tire suas dúvidas, porque só assim ele vai conseguir melhorar o que ele está fazendo e ter sucesso no controle dessa doença”.

O curso tem o objetivo formal de atualizar o produtor sobre as últimas conquistas no campo da convivência e da pesquisa sobre a doença, mostrando os impactos que o problema proporciona à produção e à qualidade dos frutos e conjecturando diferentes cenários para o futuro dos pomares com diferentes níveis da enfermidade.

Prejuízos

A despeito da situação negativa provocada pela doença em São Paulo, foram citados números a partir da severa situação que se abateu sobre os pomares da Flórida, a partir de 2004, provocando diminuição da área plantada (- 29%), queda na produtividade (- 21%), aumento no custo de produção (+ 110%) e aumento no custo do controle de doenças (+ 47%).

Segundo informativo do Centro de Citricultura, pesquisas desenvolvidas em São Paulo demonstraram que, no caso das variedades ‘Hamlin’, ‘Pera’ e ‘Valência’, houve reduções médias de 32% no peso dos frutos, 6% no teor de suco, 10% no Brix e 26% no ratio, demonstrando que há perda de valor intrínseco às frutas produzidas sob efeito do HLB.

A evolução da incidência da doença no estado de São Paulo pode ser avaliada pela curva ascendente de plantas sintomáticas, que saltou de 0,6% em 2008, para 18% em 2015, podendo chegar a 35% em 2018, caso não haja alterações no modelo atual de comprometimento da maioria dos produtores.

Atualmente, as regiões com maior incidência de HLB em São Paulo, são Sul (42%) e Centro (23%), seguidas das demais regiões que se encontram com incidências consideradas baixas, como Norte (7%), Sudoeste (5%) e Noroeste (2%).

Os dez mandamentos

Recomenda-se planejar o plantio e a renovação do pomar, plantar mudas sadias, eliminar as plantas doentes, controlar o psilídeo, dar atenção especial às bordas dos pomares, monitorar a presença do psilídeo, inspecionar o pomar frequentemente, manter as plantas bem nutridas, ser parceiro dos vizinhos e participar do manejo regional.

Para a continuidade do produtor no setor citrícola, é muito importante que se adote uma postura mais determinante em relação à intensidade do manejo adotado contra o HLB. Os palestrantes propuseram e discutiram todas as etapas dos Dez Mandamentos para controlar o Greening, que se iniciam pelo planejamento estratégico na implantação de novos pomares, passam pelo tripé mudas sadias x eliminação de fontes de inóculo x controle do vetor, e chegam a ações externas à propriedade, em um trabalho de convencimento da necessidade de agir sobre fontes de psilídeos infectivos em plantios de vizinhos.

O curso motiva produtores e técnicos a não esmorecerem diante desse infortúnio, mas conclama a todos a participar, efetivamente, das ações propostas, que são as únicas medidas de manejo conhecidas atualmente para a manutenção econômica das propriedades citrícolas, em face do problema.

O curso pode ser consultado na íntegra nos endereços: www.centrodecitricultura.br/userfiles/file/9_dia_hlb/cursozhlbz2016.pdf ou www.fundecitrus.com.br/pdf/palestras/cursozhlbz2016.pdf.

Controle fitossanitário